Capa  |  Memória  |  Estatuto (PDF)  |  Diretoria  |  Oficinas de sócios  |  Notícias  |  Fotos  | Sócios  |  Associe-se       

Notícias

Senado aprova série de projetos para incentivar o hábito da leitura no país

AGES - Associação Gaúcha de Escritores

No Brasil, a média de leitura é de quatro livros por ano

O Brasil comemora neste domingo (7/1) o dia do leitor. Para tentar incentivar o hábito da leitura, o Senado já aprovou uma série de projetos que buscam facilitar o acesso às publicações e bibliotecas em todo o país. "Eu aprendi que ler faz bem e também faz a gente se tornar mais inteligente. Gibi eu leio às vezes, livros eu leio muito. E eu vou muito na biblioteca da nossa escola. Ela tem vários livros, várias estantes cheias de livros”, disse João Nardelli, 9 anos. “Eu gosto de ler porque é sempre uma surpresa. Você está tipo dentro entrando em um novo mundo. Então, eu me sinto muito bem. Você está tipo dentro da história. Você se imagina”, explicou Gabriela, 6 anos, irmã de João. Os irmãos Gabriela e João Nardelli não escondem a paixão pelas palavras e revelam que os quadrinhos e os livros são companheiros de todas as horas.

Num mundo cercado por telas de TV e de celulares, os dois estudantes mostram que a leitura diária abre o mundo para a criatividade e a imaginação, além de ajudar no rendimento escolar. Infelizmente, o hábito não é tão comum e cerca de doze milhões de brasileiros analfabetos não poderão comemorar o dia do leitor, neste 7 de janeiro. Segundo especialistas, a média anual de leitura no país é de quatro livros, enquanto americanos e franceses lêem mais de 10 livros por ano.

Para tentar reverter este cenário, o Senado já aprovou uma série de projeto que buscam facilitar o acesso às publicações e bibliotecas em todo o país. Entre eles, a criação do Fundo Nacional Pró-Leitura, que deve financiar projetos de criação, distribuição e leitura de livros, a atualização de bibliotecas e a formação de mão de obra para o setor. Outra proposta aprovada em 2017 cria a Política Nacional de Leitura e Escrita, que busca ampliar os acervos físicos e digitais e as condições de acessibilidade de bibliotecas públicas.

A senadora Regina Sousa (PT-Piauí) disse que a iniciativa pode ajudar a melhorar a formação dos estudantes. “É um projeto que visa exatamente resolver esse problema, colocar o livro mais perto da criança. E para isso vai ter que ter outras atitudes, por exemplo o barateamento, porque livro é coisa cara nesse País. Lendo e escrevendo é que os meninos deslancham, se não souber ler e escrever não aprende mais nada, não adianta." Outra proposta elimina os impostos de publicações em bralile, áudio-livros e equipamentos para leitura digital, como tablets. Os projetos estão em análise na Câmara dos Deputados.

 

Fonte: Agência Senado


Site elaborado pela metamorfose agência digital - sites para escritores